Penitenciária de Pedrinhas voltou a viver momentos de tensão, na tarde de ontem, com o protesto dos presosPenitenciária de Pedrinhas voltou a viver momentos de tensão, na tarde de ontem, com o protesto dos presos

Aproximadamente 50 presos da Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, mantêm, há mais de doze horas, mais de 20 parentes reféns.

Os familiares foram impedidos de sair do presídio ontem (25) à tarde, em torno das 17h, após visita aos presos do bloco D, da CCPJ. Os detentos reivindicam visitas íntimas, troca de monitores, entrega de novos colchões e banho de sol coletivo, que hoje é feito por bloco, para evitar confrontos entre facções rivais.

Iniciadas ontem, por policiais Grupo Especial de Operações Penitenciárias (GEOP) e pelo comando da Tropa de Choque da Polícia Militar, as negociações não tiveram êxito. Somente 8 parentes foram liberados.

O secretário de Justiça e Administração Penitenciária, Sebastião Uchôa, disse ao GLOBO que as negociações serão retomadas às 9h de hoje. E nessa reunião, integrantes da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (seccional Maranhão), estarão presentes na negociação.

A SEJAP não admitia, até o fim da tarde de ontem, a existência de reféns. “Não há registro de reféns na Central de Presos de Justiça (CCPJ) de Pedrinhas”, relatou a Sejap, por meio de nota. Entretanto, o secretário Uchôa confirmou ao GLOBO, na manhã de hoje, que, aproximadamente 20 parentes dos detentos foram mantidos reféns.
Este é o segundo incidente registrado na CCPJ, em menos de 3 dias.Na sexta (23), um princípio de motim foi contido quando detentos de uma facção criminosa, locados no bloco C, tentarm invadir o bloco D, que loca presos de uma facção criminosa rival.

FONTE: BLOG DO ALDIR DANTAS