BANDIDOS TOMAM CONTA DA CIDADE E SUPERITENDENTE VIRA ATOR DE TV

Há poucos dias conversei demoradamente com um experiente delegado da policia civil, em busca de informações sobre as razões  que levaram a inoperância do Sistema de Segurança Pública na capital. A policia civil  está sucateada, desmotivada, sem planejamento, sem gerenciamento e cada delegado trabalha como pode, muitos até mesmo pelo seu compromisso com a sociedade. Não temos carros descaracterizados para investigações e elas hoje estão entregues  a Policia Militar através do seu serviço velado, que fere princípios da lei e permite a práticas de atos de desvios de condutas. Os recursos humanos são poucos, as condições de trabalho precárias e acaba-se não indo a lugar algum. A delegada geral chegou com boas intenções, mas vem sendo neutralizada pelas superintendências da capital e do interior, e até por falta de maior experiência, aos poucos vem  acumulando desgastes. O Superintendente  do Policiamento da Capital, foi um  dos responsáveis para a retirada do coronel Jeferson Teles, Comandante do Policiamento Metropolitano da mídia,  aproveitando-se  da cagada que ele deu ao defender militares criminosos, para então assumir o papel de ator de televisão outrora exercido até com mais eficiência pelo comandante do CPM.  No seu afã  de querer mostrar conhecimentos como grande operador do direito, critica o governo, o próprio Sistema de Segurança e  passa a imagem de  gerenciador maior da Segurança Pública. Como o Secretário de Segurança Pública não entende nada da pasta e Delegada Geral vem sendo fritada, destacam-se dentro do contexto, o  pernambucano e o paraense  controlando e dando as cartas dentro do Sistema Estadual de Segurança Pública. Daí o aumento da criminalidade na capital e no interior, os assassinatos crescendo, os assaltos já banalizados a cidadãos, a coletivos, a residências e estabelecimentos comerciais, a bancos, sem falarmos  nos avanços audaciosos  do tráfico de drogas. Hoje a sociedade tem a sensação de estar vivendo em uma cidade sem lei. Quem precisa em caso de urgência da presença da policia, se ela aparecer  sempre é após um mínimo de seis horas. Em nossa capital muitos comerciantes desistiram do ramo de negócios por não suportarem aos assaltos semanais e que já se tornavam diários. Infelizmente é o caos e a responsabilidade maior é do próprio governo que insiste em deixar a sociedade refém da bandidagem. À semana passada o governo de Minas Gerais substituiu toda a cúpula da Policia Civil em razão de um pequeno aumento no percentual  de assassinatos. Lá houve manifestação de segmentos da sociedade civil organizada, de Câmaras Municipais e da Assembléia Legislativa do Estado.Aqui, a hipocrisia do silêncio e  a omissão são bem comprometedores.

FONTE: BLOG DO ALDIR DANTAS